Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.

Cuidados Paliativos: investigação e formação são essenciais

Início/Educação, Eventos/Cuidados Paliativos: investigação e formação são essenciais

Cuidados Paliativos: investigação e formação são essenciais

“É fundamental transportar os cuidados paliativos para o lugar que eles efetivamente merecem”, afirmou Rui Nunes, investigador principal do Grupo ManEthics, do CINTESIS, no 1º Seminário Nacional de Cuidados Paliativos, que se realizou a 26 e 27 de maio, no Porto, com o apoio desta Unidade de I&D.

Segundo o professor catedrático e responsável pelo Programa Doutoral em Cuidados Paliativos da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, “todos somos poucos” na construção deste projeto, que tem ainda “um longo caminho pela frente”. Por isso, o também diretor mundial do Departamento de Investigação da Cátedra de Bioética da UNESCO considera que é essencial a participação do CINTESIS e do MEDCIDS – Departamento de Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde da FMUP.

Também para Altamiro da Costa Pereira, coordenador do CINTESIS e diretor do MEDCIDS, “é fundamental a confluência de profissionais, não só médicos, mas também enfermeiros, psicólogos, informáticos, estatistas, farmacêuticos, entre outros, que se encontram em unidades de investigação como o CINTESIS, que tem estado a apoiar muito este Programa Doutoral”.
Para o responsável, a interdisciplinaridade e a simbiose entre diferentes profissionais e instituições irão permitir que esta área se desenvolva, do ponto de vista prático, “com qualidade, humanismo e ciência”.

A diretora da FMUP, Amélia Ferreira, reconheceu, de resto, o papel do departamento no desenvolvimento de investigação nesta área, que considerou “dramaticamente importante para a população”.

Como deu conta Carlos Moreira, coordenador regional da Comissão Nacional de Cuidados Paliativos, o Plano Estratégico para o Desenvolvimento dos Cuidados Paliativos para o biénio 2017-2018 prevê cuidados paliativos especializados, acessibilidade em todos os níveis de cuidados de saúde e investimento na investigação e formação, incluindo na pós-graduação de profissionais de saúde.

Em vários países, conforme referiu Carlos Vital, Presidente do Conselho Federal de Medicina do Brasil, a Medicina Paliativa é já uma especialidade médica, estando comprovado que diminui os custos em saúde, além de melhorar a qualidade de vida dos doentes terminais. Em Portugal, é reconhecida como uma Competência pela Ordem dos Médicos. “O médico é um cuidador do Homem e deve dar mais vida aos anos e não apenas mais anos à vida”, considerou.

Dirigido essencialmente a estudantes de mestrado e doutoramento, este Seminário permitiu a discussão de alguns temas muito atuais, como as diretivas antecipadas de vontade, a eutanásia e a distanásia, que têm em comum o facto de manipularem o momento da morte (no primeiro caso, atrasando-o; no segundo, antecipando-o). A propósito, Paulo Maia, médico e docente, salientou a importância de promover a ortotanásia, que implica uma morte natural, sem manipulação, e deixou um apelo para tirar Portugal do 38º lugar que ocupa nos cuidados de fim de vida e trazê-lo para o primeiro lugar, como fez com o futebol e, mais recentemente, com a música.

Por | 2017-06-01T15:41:14+00:00 Maio 29th, 2017|Categorias: Educação, Eventos|Tags: , , , , , , |Comentários fechados em Cuidados Paliativos: investigação e formação são essenciais

Sobre o Autor: