Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.

Investigador do CINTESIS aconselha mudanças na alimentação para prevenir doença oftalmológica  

Início/Investigação/Investigador do CINTESIS aconselha mudanças na alimentação para prevenir doença oftalmológica  

Investigador do CINTESIS aconselha mudanças na alimentação para prevenir doença oftalmológica  

A adoção da Dieta Mediterrânica, a atividade física e a cessação tabágica reduzem o risco de degenerescência macular da idade (DMI), uma doença oftalmológica que é, atualmente, a principal causa de cegueira no mundo ocidental, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A conclusão é de um estudo da autoria de José Paulo Andrade, investigador do CINTESIS, com o título “Nutritional and Lifestyle Interventions for Age-Related Macular Degeneration: a Review”, publicado na revista “Oxidative Medicine and Cellular Longevity”. O investigador acaba de apresentar os resultados deste trabalho no âmbito da 2ª Conferência Internacional “Food for Healthy Ageing – Maintaining Health Throughout the Lifespan”, que se realizou entre os dias 23 e 25 de outubro, na Holanda.

“A evidência científica atual mostra que os doentes com degenerescência macular da idade devem ser aconselhados a aumentar o consumo de vegetais de folha verde, a comer peixes gordos e a seguir o Padrão Alimentar Mediterrâneo, que tem também benefícios noutras doenças”, afirma José Paulo Andrade.

De acordo com este artigo de revisão, para a qual contribuiu Ângela Carneiro, do Serviço de Oftalmologia da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto/Centro Hospitalar de São João, a alimentação tipicamente ocidental, rica em fritos, snacks salgados e carne vermelha em abundância, poderá estar associada a um aumento do risco de ter degenerescência macular da idade.

Pelo contrário, diz José Paulo Andrade, existe um risco menor de desenvolver DMI nos indivíduos que aderem à Dieta Mediterrânica, privilegiando o consumo de frutas, legumes, pão, frutos secos, azeite e peixe. Além de preferir produtos frescos sazonais, este padrão alimentar inclui também laticínios em quantidades baixas a moderadas e carne vermelha/processada, mas em baixa quantidade. No entanto, o uso de suplementos vitamínicos não é eficaz na prevenção da DMI.

Por outro lado, o investigador principal do grupo NeuroGen – Neuronal Degeneration & Regeneration, do CINTESIS, indica ainda que nos doentes com DMI moderada ou avançada existe benefício na suplementação vitamínica mas devem usar apenas os suplementos de vitaminas e minerais que já demonstraram a sua eficácia em ensaios clínicos (como vitamina C, vitamina E, zinco e beta-caroteno). Os fumadores ou ex-fumadores devem ser aconselhados a evitar as formulações com beta-caroteno, o qual deve ser substituído por luteína/zeaxantina.

Depois de analisar dezenas de estudos feitos nesta área, José Paulo Andrade avisa que são precisos mais estudos para suportar o uso de outros suplementos na DMI, designadamente os ácidos gordos ómega 3.

O especialista considera, finalmente, que o papel dos profissionais de saúde na educação dos doentes pode e deve ser melhorado, de modo a reduzir a prevalência de DMI precoce, diminuir o número de casos de DMI avançada e, consequentemente, fazer baixar as despesas elevadas e em crescimento associadas ao tratamento desta doença.

A DMI é uma doença degenerativa que afeta progressivamente a zona central da retina (mácula) e a visão central, condicionando significativamente a autonomia e a qualidade de vida dos doentes. Em Portugal, haverá cerca de 350 mil pacientes com DMI. Todos os anos surgem cerca de 45 mil novos casos da forma precoce da doença e cerca de 5 mil com a forma tardia.

Por | 2017-10-30T15:49:52+00:00 Outubro 30th, 2017|Categorias: Investigação|Tags: , , , , , , , |Comentários fechados em Investigador do CINTESIS aconselha mudanças na alimentação para prevenir doença oftalmológica  

Sobre o Autor: