Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.

Literacia em saúde deve ser uma prioridade

Início/Investigação/Literacia em saúde deve ser uma prioridade

Literacia em saúde deve ser uma prioridade

“A literacia em saúde é um importante determinante de saúde individual e deve constituir uma prioridade em saúde pública”, diz Paulo Santos, investigador do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, num artigo de revisão publicado no jornal Cogent Social Sciences, com o título “Health literacy as a key for effective preventive medicine”.

Como primeiro autor, Paulo Santos apresenta uma série de estudos que mostram a importância da literacia em saúde no processo de tomada de melhores decisões e na obtenção de melhores resultados em saúde, designadamente a nível da medicina preventiva.

“Na perspetiva da prevenção, a literacia contribui para maximizar os resultados dos investimentos em saúde e para racionalizar os recursos disponíveis, contribuindo para a sustentabilidade dos sistemas de saúde”, pode ler-se no artigo.

Num contexto de recursos limitados, o investigador do CINTESIS considera que o investimento na literacia em saúde e na prevenção primária, com o objetivo de mudar estilos de vida, é a solução ideal, permitindo fazer mais com menos esforço financeiro e maximizando a eficiência.

Paulo Santos vê na literacia em saúde uma arma poderosa no sentido do “desinvestimento em tecnologias obsoletas”. E dá o exemplo das mamografias, cujo abuso está associado a falsos positivos, a sobrediagnóstico e a riscos.

O investigador e médico de família realça, no entanto, que não basta publicar a melhor evidência científica em jornais com elevado fator de impacto, nem fazer guidelines, como se elas fossem transportadas “por magia” para a prática. E aponta as guidelines publicadas em Portugal nos últimos anos como bons exemplos da dificuldade em fazer a tradução para uma “linguagem corrente”.

Em seu entender, os médicos devem integrar o doente no processo de decisão, usando uma linguagem clara e acessível, sem preconceitos. “Para tomarem melhores opções, os doentes têm de entender a informação e integrá-la nas suas rotinas”, diz, cabendo aos profissionais de saúde o papel de “definir objetivos e estratégias para as alcançar”.

Em conclusão, a aposta numa maior literacia em saúde poderá contribuir para uma população mais informada com mais capacidade para fazer livremente as melhores escolhas, com base na melhor evidência aplicada a cada caso, contribuindo para uma efetiva prevenção no contexto dos cuidados médicos e de saúde.

 

Por | 2017-12-19T16:55:34+00:00 Dezembro 19th, 2017|Categorias: Investigação|Tags: , , , , |Comentários fechados em Literacia em saúde deve ser uma prioridade

Sobre o Autor: