Aumento de hospitalizações por surto psicótico associado a consumo de cannabis

//Aumento de hospitalizações por surto psicótico associado a consumo de cannabis

Aumento de hospitalizações por surto psicótico associado a consumo de cannabis

As hospitalizações por surto psicótico ou esquizofrenia em pacientes que têm consumos de cannabis registados aumentaram quase 30 vezes no espaço de quinze anos, em Portugal, revela um trabalho desenvolvido por um grupo de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde.

O trabalho, publicado no International Journal of Methods in Psychiatric Research, analisou as hospitalizações registadas em todos os hospitais públicos de Portugal continental, entre 2000 e 2015. No total, a equipa de investigação registou 3.233 hospitalizações, que oscilaram entre os 20 internamentos registados em 2000 e os 588 internamentos identificados em 2015.

“Se considerarmos todas as hospitalizações por surto psicótico ou esquizofrenia, concluímos que, em 2015, mais de 10% desses casos correspondiam a pacientes com um diagnóstico secundário de consumo de cannabis, enquanto que, em 2000, não chegavam a 1%”, revela Manuel Gonçalves-Pinho, médico, investigador do CINTESIS e autor deste trabalho.

Os resultados revelam que em 90% dos casos os pacientes eram do sexo masculino, tendo, em média, 30 anos de idade. “Se nos doentes em geral, sem indicação de consumo de cannabis, a média de internamento por surto psicótico e esquizofrenia se situa nos 42 anos, temos de avaliar se o uso desta substância psicoativa não estará a iniciar precocemente este tipo de perturbações mentais”, problematiza Miguel Bragança, psiquiatra e investigador da FMUP envolvido no estudo. “É como se o uso de cannabis pudesse reduzir o limiar que nos separa de um surto psicótico”, adita, recordando que de acordo com este trabalho “3,3% dos casos registados dizem respeito a pacientes com 18 anos ou menos”.

Apesar dos resultados evidenciarem um exponencial crescimento do número de entradas nos hospitais por surto psicótico ou esquizofrenia em associação com o uso de cannabis, a equipa de investigação interpreta os números com cautela. “Atualmente, os registos hospitalares são mais rigorosos e o diagnóstico secundário de consumo de cannabis é codificado de forma mais completa”, lembra Manuel Gonçalves-Pinho, ressalvando que os dados merecem, contudo, a maior atenção por parte dos decisores em matéria de Saúde Pública.

O estudo revelou ainda que, no total, as hospitalizações custaram 11,3 milhões de euros ao Estado, numa média de 3.500 euros e 19 dias de internamento por cada episódio. “São custos elevados e tempos de internamento longos, que denotam a gravidade dos episódios psicóticos”, sublinha Manuel Gonçalves-Pinho.

Descriminalizada desde 2001, em Portugal, a cannabis é uma das drogas mais usadas para fins recreativos, sendo-lhe também reconhecido potencial terapêutico. O principal composto psicoativo da cannabis o THC (tetrahidrocanabinol) que existe apenas em doses residuais nos medicamentos à base desta planta – tem a capacidade de influenciar áreas do cérebro responsáveis pela cognição, perceção, ansiedade, medo, memória e gratificação.

Para além de Manuel Gonçalves-Pinho e Miguel Bragança, o estudo contou com a participação de Alberto Freitas, investigador na área da Análise de Dados do CINTESIS e professor da FMUP.

Por | 2019-12-18T16:06:47+00:00 Dezembro 16th, 2019|Categorias: Investigação|Tags: , , , , , , , , , |Comentários fechados em Aumento de hospitalizações por surto psicótico associado a consumo de cannabis

Sobre o Autor:

Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.