CINTESIS integra estudo sobre jornalismo em contexto de pandemia

//CINTESIS integra estudo sobre jornalismo em contexto de pandemia

CINTESIS integra estudo sobre jornalismo em contexto de pandemia

O Jornalismo reforçou a sua importância em contexto da pandemia e constituiu uma “arma eficaz” no combate contra a COVID-19. As conclusões são de uma equipa de investigação do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, Universidade do Minho, Universidade de Coimbra e Universidade Católica Portuguesa.

O grupo analisou cerca de três mil notícias publicadas durante as vagas pandémicas que assolaram Portugal. Os resultados indicam que cobertura noticiosa foi “muito intensa” na primeira vaga, tendo-se antecipado e “contribuído para orientar o comportamento dos cidadãos no sentido de se protegerem”.

Este trabalho mostra, porém, que “o jornalismo aliviou a pressão noticiosa na segunda vaga e demorou a arrancar com a mesma força com que o fez em março de 2020 quando o quadro epidemiológico começou a agravar-se em janeiro de 2021”. Quando as notícias são contabilizadas, percebe-se que “o número de notícias sobre a COVID-19 publicadas na primeira vaga foi três vezes maior do que na terceira vaga, num período equivalente”.

Durante os períodos em estudo, o Jornalismo também auscultou mais fontes. O Governo centra a comunicação sobre a gestão da pandemia, nos períodos de maior tensão (12,3%). O Primeiro-Ministro ocupa o lugar de maior evidência (2,7%). Seguem-se-lhe três ministras – a da Saúde, a da Presidência e a da Segurança Social e Trabalho. Só depois surgem os Ministros da Educação e da Saúde.

Entre as fontes que ganharam terreno estão os profissionais e os especialistas. As fontes oficiais são as mais ouvidas quando o assunto é COVID-19 (com resultados que oscilam entre os 22 e o 29%), mas os profissionais de diferentes áreas e os especialistas ganharam uma nova força e quase rivalizam com as primeiras (com taxas entre os 20 e os 25%, se se atender apenas aos que possuem um cargo.

“É importante saber manter estas fontes no espaço mediático após sairmos da pandemia. Elas contribuem para a qualidade do Jornalismo e mostraram ter respostas que a Política e as fontes oficias não detêm”, adita Olga Magalhães, investigadora do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde.

Os temas mais mediatizados também sofreram alterações. Na primeira vaga, para além dos retratos epidemiológicos, “as notícias focaram sobretudo temas de índole social (21%), nomeadamente em torno do trabalho e da educação. Contudo, na segunda vaga, os holofotes mediáticos escamotearam os temas sociais (7%) e voltaram a focar-se na política nacional (20%)”.

A segunda vaga foi também “mais rica em notícias sobre investigação médico-científica, sobretudo por causa das expectativas em torno dos ensaios clínicos das vacinas contra o Sars-Cov-2 (9%)”. Já a terceira vaga foi “marcada por um noticiário particularmente negativo, que se debruçou sobre os Retratos de Situação (23%), nomeadamente no que concerne à contagem de mortos por COVID-19. Dentro dos temas sociais (17%), a educação volta a ganhar espaço noticioso”.

O estudo faz parte de um projeto de investigação mais alargado, que visa analisar a Comunicação de Saúde sobre Covid-19 em Portugal. Para além de Olga Magalhães (CINTESIS), integram a equipa Felisbela Lopes (U.Minho), coordenadora do estudo, Rita Araújo (U.Minho), Clara Almeida Santos e Ana Teresa Peixinho (U.Coimbra) e Catarina Duff Burnay (U.Católica Portuguesa).

Por | 2021-03-10T14:41:56+00:00 Março 10th, 2021|Categorias: Investigação|Tags: , , , , , |Comentários fechados em CINTESIS integra estudo sobre jornalismo em contexto de pandemia

Sobre o Autor:

Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.