“É premente aumentar testes para evitar descontrolo da pandemia”

//“É premente aumentar testes para evitar descontrolo da pandemia”

“É premente aumentar testes para evitar descontrolo da pandemia”

“É premente aumentar a capacidade de testes para evitar um descontrolo da pandemia”, advertem investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e do CINTESIS, numa altura em que Portugal começa a levantar as medidas restritivas. E dão o exemplo da França, onde o aumento da capacidade de testes é condição sine qua non para esse mesmo levantamento.

Mais importante que o aumento do número total de testes, os investigadores identificam a necessidade de rastrear de forma alargada os contactos dos novos infetados. “Todos os contactos, mesmo que assintomáticos, devem ser testados para a Covid-19”, afirmam, lembrando que esta medida explicará “o sucesso do Vietname”. Este país apresenta o maior número de testes por caso confirmado (791 versus 10 para Portugal), contabilizando entre os seus 97 milhões de habitantes apenas 270 casos de infeção e nenhuma morte.

Os investigadores sublinham que “o número de testes por caso confirmado é uma medida muito importante nesta fase de desconfinamento em que serão feitos muitos testes de rastreio e que continuar a olhar para a percentagem de testes positivos dá “uma falsa sensação de segurança”.

A equipa, que escreve o editorial da edição de maio da revista da Organização Mundial de Saúde (OMS), com o título “Simulation of the effects of COVID-19 testing rates on hospitalizations” (http://dx.doi.org/10.2471/BLT.20.258186) considera que “o aumento do número de testes diagnóstico à COVID-19 foi, provavelmente, um dos fatores mais importantes no sentido de evitar o colapso do sistema nacional de saúde em Portugal”.

Os investigadores estimam que o aumento do número de testes ocorrido entre 22 de março e 5 de abril pode ter permitido evitar mais de cinco mil internamentos e mil internamentos em unidades de cuidados intensivos, com poupanças na ordem dos 27 milhões de euros.

Naquele período de 15 dias, o número de testes por milhão de habitantes foi sete vezes maior do que o registado em 22 de março. Atualmente, esse número é já 35 vezes maior.

Para traçar diferentes cenários, esta equipa de cientistas criou uma ferramenta que permite simular o número de internamentos evitados e os custos económicos poupados com a realização de mais testes de diagnóstico à COVID-19. A nova ferramenta encontra-se disponível online, em http://simtestcovid.gim.med.up.pt.

“Neste simulador, é possível testar diferentes cenários, tendo por base a situação epidemiológica do país e variáveis relacionadas com a utilização de cuidados de saúde por parte de doentes com infeção Covid-19”, explica Bernardo Sousa-Pinto, um dos autores do artigo.

De acordo com o professor da FMUP e investigador do CINTESIS, encontram-se já pré-definidos cenários para simulação em oito países, incluindo Portugal.

A equipa de investigadores do Departamento de Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde da FMUP e do CINTESIS conta com Bernardo Sousa-Pinto, João Almeida Fonseca, Bruno Oliveira, Ricardo Cruz Correia, Pedro Pereira Rodrigues, Altamiro Costa-Pereira e Francisco Nuno Rocha-Gonçalves.

 

Por | 2020-05-06T16:00:54+00:00 Maio 6th, 2020|Categorias: Investigação|Tags: , , , , , , , , , |Comentários fechados em “É premente aumentar testes para evitar descontrolo da pandemia”

Sobre o Autor:

Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.