Investigadores pedem intervenção dos psicólogos na morte antecipada

//Investigadores pedem intervenção dos psicólogos na morte antecipada

Investigadores pedem intervenção dos psicólogos na morte antecipada

Os psicólogos deverão desempenhar um papel mais ativo nos pedidos de morte medicamente assistida (eutanásia e suicídio assistido), assunto que volta hoje a estar na agenda da Assembleia da República.

Um estudo coordenado por Miguel Ricou, investigador do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias de Saúde e professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), mostra que os psicólogos poderão assumir várias funções indispensáveis no contexto da morte antecipada.

Para o responsável, os psicólogos serão fulcrais, por exemplo, no aconselhamento do doente, das famílias e dos profissionais de saúde e na avaliação da competência do doente.

“Os psicólogos devem assumir um papel na avaliação da capacidade dos doentes e da consistência dos seus pedidos de morte antecipada.  A decisão de morrer é irreversível e, por isso, deve corresponder à verdadeira vontade da pessoa. Deve existir o mínimo de enganos possível na avaliação de um pedido de eutanásia e suicídio assistido”, afirma.

Segundo Miguel Ricou, “não faz sentido que quem pede eutanásia não tenha a oportunidade de discutir isso mesmo com alguém especializado em orientar as pessoas nas suas tomadas de decisão”.

Na sua opinião, caberá igualmente aos psicólogos assumir o papel de “advogados dos doentes”, garantindo que as suas necessidades são atendidas. “Os psicólogos têm uma responsabilidade ética de proteger a autonomia do doente e o seu direito a tomar uma decisão consciente e informada”, continua.

Além disso, sublinha que os psicólogos devem fazer a ponte entre doentes, familiares e profissionais de saúde e prestar-lhes o apoio necessário em questões emocionais e éticas.

Para desempenhar todos estes papeis, Miguel Ricou considera que os psicólogos devem fazer investigação na área e receber treino especializado. “É preciso investir em estudos científicos que permitam perceber como as decisões de fim de vida são tomadas e se elas são estáveis ou se variam ao longo do tempo”, salienta.

Finalmente, o especialista em Bioética chama a atenção para a necessidade de conseguir influenciar a discussão da lei sobre eutanásia, de modo a assegurar a existência de equipas interdisciplinares e a efetiva participação dos psicólogos neste contexto.

Atualmente, a eutanásia voluntária é legal na Bélgica, Canadá, Holanda, Luxemburgo, Uruguai e Colômbia e o suicídio assistido pode ser praticado na Suíça, na Alemanha, no estado australiano de Victoria e em oito estados dos EUA.

Em Portugal, a despenalização da morte medicamente assistida (eutanásia e suicídio assistido) foi aprovada na generalidade no dia 20 de fevereiro deste ano, na Assembleia da República (AR), tendo baixado à Comissão de Assuntos Constitucionais para discussão e votação na especialidade.

Nesta quinta-feira, dia 18 de junho, o assunto voltou a estar na agenda do Parlamento, com uma reunião do Grupo de Trabalho “Despenalização da Morte Medicamente Assistida”, da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, e com uma audiência de Ferro Rodrigues à Iniciativa Popular de Referendo “A (des)Penalização da morte a pedido”.

Este artigo tem como primeira autora Sílvia Marina, da FMUP e CINTESIS, Tony Wainwright, da Universidade de Exeter, no Reino Unido, e Miguel Ricou, tendo sido publicado no International Journal of Psychology.

Por | 2020-06-18T17:07:59+00:00 Junho 18th, 2020|Categorias: Investigação|Tags: , , , , , , , |Comentários fechados em Investigadores pedem intervenção dos psicólogos na morte antecipada

Sobre o Autor:

Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.