Mais de metade dos profissionais de saúde está em burnout

//Mais de metade dos profissionais de saúde está em burnout

Mais de metade dos profissionais de saúde está em burnout

Cerca de 52% dos profissionais de saúde apresentam sinais de exaustão física ou psicológica e burnout relacionado com o exercício da sua atividade durante a pandemia de COVID-19. Os profissionais que estão “na linha da frente do combate” são os mais afetados, evidenciando sinais significativamente mais elevados não só de burnout, mas também de stress e de ansiedade.

Estes são resultados preliminares do estudo “Impacto da COVID-19: o papel da resiliência na depressão, na ansiedade e no burnout em profissionais de saúde”, desenvolvido por investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), CINTESIS e Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto.

“Importava perceber como se encontravam estes profissionais do ponto de vista psicoemocional, com a introdução gradual de medidas de desconfinamento”, explicam as coordenadoras, Ivone Duarte (FMUP/CINTESIS) e Carla Serrão (ESE.P. PORTO/InED).

Em resposta ao questionário online, cerca de 51% dos profissionais de saúde admitem estar em exaustão física ou psicológica e mais de 52% referem estar em burnout por causa do trabalho que desenvolvem, sendo que 35% apresentam mesmo “elevados níveis de exaustão”.

Segundo as coordenadoras do estudo, “estes resultados parecem indicar que a COVID-19 “resultou na exacerbação de problemas ao nível da saúde mental, com particular impacto emocional e físico nos profissionais de saúde que se encontram na linha da frente”.

A razão apontada é “a exposição dos profissionais a exigências sem precedentes, como a mortalidade elevada, o racionamento de equipamentos de proteção individual (EPI), a pressão inerente ao sentido profissional de dever para com os doentes, o medo do contágio e dilemas éticos profundos de racionamento do acesso a ventiladores e outros materiais essenciais”, para além da “necessidade de conciliação entre vida familiar e profissional”.

De acordo com as investigadoras, a capacidade de resiliência e a satisfação com a vida podem estar, de algum modo, “a amortecer o impacto da COVID-19”. Apesar da exaustão física e psicológica manifestadas, “cerca de 80% dos profissionais de saúde consideram-se capazes de enfrentar situações difíceis e potencialmente stressantes”.

O questionário foi realizado entre os dias 9 e 18 de maio e responderam quase 1500 profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, farmacêuticos e técnicos de diagnóstico e terapêutica. Destes, 28% trabalham diretamente com pessoas infetadas com o novo coronavírus (SARS-CoV2), 23% já fizeram o teste à infeção e 75% consideraram ter os equipamentos de proteção individual necessários para o desempenho da sua atividade profissional.

O grupo de investigação irá agora centrar a sua atenção sobre as características que poderão interferir nas diferenças registadas ao nível da saúde mental dos profissionais que se encontram na linha da frente da luta contra a COVID-19 e dos que não estão diretamente envolvidos, tendo como próximo objetivo “apoiar o seu bem-estar psicológico e resiliência e garantir a sua recuperação gradual e global”.

Por | 2020-06-01T13:49:41+00:00 Junho 1st, 2020|Categorias: Investigação|Tags: , , , , , |Comentários fechados em Mais de metade dos profissionais de saúde está em burnout

Sobre o Autor:

Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.