“Médicos têm de negociar com os doentes hipertensos”

//“Médicos têm de negociar com os doentes hipertensos”

“Médicos têm de negociar com os doentes hipertensos”

Sacos cheios de caixas de comprimidos, efeitos secundários, acesso insuficiente aos cuidados de saúde ou aos medicamentos, o reduzido tempo das consultas, doenças como a depressão, seguimento desadequado e fraca adesão à terapêutica: estes são alguns dos fatores-chave para a falta de controlo da hipertensão arterial, o mais importante fator de risco cardiovascular em Portugal e no mundo.

Estes aspetos relacionados com a adesão à terapêutica são apontados por Ana Correia Oliveira e Paulo Santos, investigador do CINTESIS – Centro de Informação em Tecnologias e Serviços de Saúde num trabalho recentemente publicado no Journal of Hypertension and Management.

O objetivo da investigação era rever, de forma crítica, os principais determinantes que interferem com a não adesão à terapêutica, bem como as estratégias possíveis para controlar a hipertensão arterial, problema que afeta 42,2% dos portugueses com mais de 18 anos de idade (44,4% dos homens e 40,2% das mulheres) e 31% da população a nível mundial.

Para o investigador do CINTESIS, “os clínicos têm um papel importante na não adesão”, por exemplo, “quando prescrevem esquemas complexos com vários medicamentos, quando não explicam bem os seus benefícios e os seus riscos [como fadiga, dores de cabeça, edema, tosse, aumento da frequência urinária, alterações metabólicas e disfunção sexual] e quando não têm em conta os custos para os doentes”.

Paulo Santos indica várias medidas suscetíveis de melhorar o controlo da pressão arterial, como usar associações fixas (um ou mais princípios ativos num só comprimido) e simplificar os esquemas terapêuticos.

Neste âmbito, é fundamental “negociar as melhores opções e estabelecer um bom canal de comunicação com os doentes, partilhando informação em tempo real”. O responsável chama a atenção, a propósito, para a importância de aumentar a literacia de saúde da nossa população.

De acordo com o especialista em Medicina Geral e Familiar, “a evidência mostra que 25% dos doentes não compram os medicamentos prescritos pelo médico e que 10% se esquecem de os tomar diariamente”. Além disso, “um terço dos doentes abandonam o tratamento após seis meses e metade, após um ano”.

No total, mais de 45% dos doentes não aderem à medicação. Nos doentes com hipertensão não controlada, essa percentagem ultrapassa os 83%. Os homens, os mais novos e os doentes com depressão e doença cardíaca são os que mais falham o tratamento.

Por | 2018-10-26T17:30:20+00:00 Outubro 26th, 2018|Categorias: Investigação|Tags: , , , , |Comentários fechados em “Médicos têm de negociar com os doentes hipertensos”

Sobre o Autor:

Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.