H2O2/Ag+ impact in HAI

///H2O2/Ag+ impact in HAI
H2O2/Ag+ impact in HAI 2018-10-04T18:05:03+00:00

Project Description

Impacto da nebulização seca de H2O2/Ag+ na infeção associada a cuidados de saúde:o paradigma da Unidade de Queimados

É urgente implementar estratégias de controlo efetivo da infeção que limitem o crescimento da resistência a fármacos e reduzam os riscos associados aos cuidados de saúde. Com a utilização dos desinfetantes manuais convencionais, 10% das superfícies de elevado contacto dos hospitais mantêm-se contaminadas. Este projeto propõe um estudo abrangente para investigar o impacto microbiológico e clínico de uma descontaminação adequada sobre as taxas de infeções associadas aos cuidados de saúde. A Unidade de Queimados do Hospital de São João será usada como modelo de estudo e a desinfeção será feita com vapor de H2O2 para descontaminação das superfícies em áreas com pacientes. Este estudo quantitativo de 3 anos inclui monitorização microbiológica do ambiente e análise custo-benefício. A melhoria da desinfeção hospitalar deverá contribuir para minimizar a colonização e a infeção entre os pacientes queimados e reduzir a administração de fármacos antimicrobianos, a resistência antimicrobiana e melhorar os custos envolvidos com os cuidados de saúde prestados.

Abstract

De forma a melhorar a qualidade dos serviços de saúde, deverão ser delineadas estratégias eficazes com o objetivo de limitar a propagação da resistência aos fármacos e reduzir o risco de infeções associadas aos cuidados de saúde (HAIs).

A resistência aos antimicrobianos é um problema crescente entre os microrganismos responsáveis por HAIs, fenómeno relacionado com uma prescrição terapêutica inapropriada. Tal é particularmente crítico nas Unidades de Cuidados Intensivos (UCIs), onde 15% das HAIs resultam da transmissão cruzada; a disseminação de microrganismos multirresistentes ocorre a uma taxa elevada, dificultando o sucesso da terapêutica.

Estudos demonstram que 60% das superfícies de elevado contacto próximas do doente permanecem contaminadas após higienização manual devido à utilização de concentrações incorretas de desinfetante e/ou tempo de contacto insuficiente. Verifica-se um risco de 73% de infeção em quartos ocupados previamente por doentes infetados ou colonizados.

Estas limitações podem ser ultrapassadas com a aplicação de uma concentração constante de desinfetante na forma de vapor seco, durante um período de tempo pré-estabelecido, através de uma unidade portátil.

Assim, propomos um estudo extensivo com o objetivo de investigar o real impacto microbiológico e clínico da implementação na rotina de uma desinfeção de superfícies baseada em biocidas ativos contra microrganismos patogénicos multirresistentes, nomeadamente sobre as taxas de HAI numa unidade de doentes críticos.

A aplicação correta desta metodologia deverá reduzir consequentemente o recurso a antimicrobianos, a resistência aos antimicrobianos e os custos de internamento.

Para demonstrar essas hipóteses, será utilizado um sistema automático de vaporização de peróxido de hidrogénio (H2O2) na descontaminação terminal das superfícies das áreas de tratamento de doentes da Unidade de Queimados do Hospital de São João, no Porto, num estudo prospetivo com a duração de 36 meses, envolvendo a quantificação e caracterização microbiológica de isolados ambientais e uma análise custo-benefício.

Previamente, será efetuada uma avaliação in vitro com o objetivo de determinar o efeito antimicrobiano do vapor de H2O2 combinado com catiões de prata sobre diferentes espécies de fungos e bactérias (suscetíveis e resistentes a antimicrobianos convencionais) com relevância em doentes críticos, incluindo o potencial efeito indutor de resistência ao biocida (H2O2/Ag+); terá como alvo células em suspensão e células aderidas a superfícies em biofilme, de forma a obter uma visão global sobre o espetro de atuação e melhor compreender os resultados do estudo “in situ”.

Espera-se que uma melhoria nos protocolos de desinfeção contribua decisivamente para a diminuição da colonização e infeção dos doentes da unidade de queimados e consequentemente da administração de antimicrobianos e da emergência de resistências, com reduções de custos (diretos e indiretos) envolvidos nos cuidados de saúde.

Funding Institution

Portal 2020

Global Budget

212.891,79 euros

CINTESIS Budget

212.891,79 euros

CINTESIS researchers involved

Luís Filipe Duarte Reino Cobrado (PI – Investigador responsável), Acácio Agostinho Gonçalves Rodrigues (Investigador Corresponsável), Cidália Irene Azevedo Pina Vaz, Elisabete Travassos Araújo Ricardo, Ana Isabel Silva Dias, Isabel Alexandra Marcos Miranda, Maria Manuel da Silva Azevedo, Luís Filipe Ribeiro de Azevedo

Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.