Profissionais querem critérios éticos para priorização de doentes COVID-19 em cuidados intensivos

//Profissionais querem critérios éticos para priorização de doentes COVID-19 em cuidados intensivos

Profissionais querem critérios éticos para priorização de doentes COVID-19 em cuidados intensivos

A esmagadora maioria dos profissionais e investigadores do setor da saúde auscultados por um inquérito, incluindo médicos, enfermeiros e psicólogos, concorda que devem existir critérios éticos para a admissão de doentes com COVID-19 em unidades de cuidados intensivos, caso venha a ocorrer uma situação de escassez de recursos materiais e/ou humanos.

Este é um dos resultados preliminares de um inquérito realizado na Faculdade de Medicina da Universidade o Porto (FMUP) e no CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, mas que será estendido a todas as Escolas Médicas nacionais, durante os próximos dias.

Coordenado por Rui Nunes (professor da FMUP e especialista em Bioética) e por Altamiro Costa-Pereira (diretor da FMUP), com o apoio de Olga Magalhães (FMUP/CINTESIS) o estudo foi realizado em tempo recorde. O objetivo é dar resposta a uma série de perguntas que já foram colocadas noutros países, como Espanha e Itália, face à desproporção de doentes graves e muito graves com COVID-19 a necessitarem de cuidados intensivos face aos meios disponíveis para os tratar.

Dos mais de 350 profissionais e investigadores de saúde que responderam ao inquérito online, 91% consideram que, para além dos critérios clínicos, devem existir “critérios éticos universais, explícitos, transparentes e consensualizados para admissão em cuidados intensivos”. Apenas 6% não veem necessidade da sua existência e 3% não têm opinião sobre o tema.

Quase 90% dos inquiridos concorda também que a decisão deve ser partilhada entre a equipa de saúde, o doente e a família, no sentido de promover “uma comunicação franca e transparente”. Apenas 8% dizem que não e 3% não têm uma opinião formada.

Quanto aos critérios que deverão presidir à decisão de internar um determinado doente com COVID-19 em detrimento de outro, a grande maioria entende que a idade não deve ser decisiva. Feitas as contas, 93% dos profissionais concordam que a idade não pode ser considerada como o único elemento de decisão. Apenas 4% dos inquiridos acha que a idade serve para decidir quais os doentes prioritários, sendo que 3% confessam não ter opinião.

Cerca de 80% dos profissionais entendem que, face à impossibilidade de admitir em simultâneo todos os doentes com COVID-19, “deve valorizar-se a maximização da sobrevivência até à alta hospitalar”. O mesmo é dizer que a maioria dos profissionais admite que, se for necessário escolher, deve ser dada prioridade a doentes com mais hipóteses de sobreviverem. Apenas 7% discordam e 13% não têm opinião.

O consenso não é tão grande no que respeita a outro critério possível na priorização de doentes a admitir em cuidados intensivos: o número de anos salvados. Cerca de 66% dos profissionais entendem que se deve valorizar “a maximização do número de anos de vida salvados”, enquanto 18% dizem que não e 16% admitem não ter opinião.

As opiniões dividem-se ainda mais no que se refere à aplicação do chamado “princípio do custo de oportunidade”, evitando como regra absoluta o critério “primeiro a chegar primeiro a admitir”. Ao todo, 56% dos inquiridos respondem que sim, que se deve ter em conta o “custo de oportunidade”, o que implica que nem sempre a admissão deve ser feita por ordem de chegada. Porém, 27% discordam e 17% não têm opinião.

Neste inquérito, realizado entre os dias 6 e 11 de abril, 51% dos inquiridos são médicos, sendo que 73% têm menos de 50 anos de idade.

Por | 2020-04-14T17:08:54+00:00 Abril 14th, 2020|Categorias: Investigação|Tags: , , , , , |Comentários fechados em Profissionais querem critérios éticos para priorização de doentes COVID-19 em cuidados intensivos

Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.