Três em quatro doentes com roturas de aneurismas da aorta abdominal não sobrevivem

//Três em quatro doentes com roturas de aneurismas da aorta abdominal não sobrevivem

Três em quatro doentes com roturas de aneurismas da aorta abdominal não sobrevivem

Em Portugal, três em cada quatro doentes com rotura de aneurisma da aorta abdominal não sobrevivem e mais de um terço dos pacientes não chegam sequer ao hospital, o que sugere a necessidade de melhorar o planeamento da rede hospitalar.

Esta é uma das conclusões de um trabalho que tem como primeira autora Marina Dias-Neto, professora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), com coordenação de Sérgio Sampaio, professor da FMUP e investigador do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde.

De acordo com o estudo publicado no European Journal of Vascular and Endovascular Surgery, 2.275 doentes com mais de 50 anos tiveram uma rotura do aneurisma da aorta abdominal entre 2000 e 2015 e 1460 doentes foram admitidos em hospitais públicos.

A incidência deste problema tem-se mantido estável, em Portugal, nos últimos anos estudados. Já a mortalidade total registou um aumento, atribuído às mortes ocorridas fora dos hospitais, que representam cerca de metade das 1710 mortes registadas naquele período.

Como alertam os autores, “a mortalidade fora do hospital continua a ser um motivo de preocupação”, justificando “um melhor planeamento da rede de Cirurgia Vascular em Portugal”.

Os dados deste estudo devem refletir, antes de mais, problemas no acesso a departamentos de Cirurgia Vascular e a tratamentos especializados neste tipo de aneurismas, designadamente na região Sul e no interior do país.

“Os departamentos vasculares que receberam doentes com rotura de aneurisma da aorta abdominal estão localizados no Litoral Norte e Centro do país. A população do Sul e do Interior não tem acesso próximo a cirurgia vascular especializada”, indicam.

A rotura de aneurisma da aorta abdominal é uma condição potencialmente mortal que exige tratamento imediato num departamento hospitalar especializado. Os sintomas incluem dor lombar ou abdominal de aparecimento súbito, bem como síncope ou pré-sincope, e devem ser tratados como uma emergência.

Por | 2020-10-02T20:16:15+00:00 Outubro 2nd, 2020|Categorias: Investigação|Tags: , , , , |Comentários fechados em Três em quatro doentes com roturas de aneurismas da aorta abdominal não sobrevivem

Sobre o Autor:

Termos e Políticas de utilização

O website www.cintesis.eu é um website pertencente ao CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, tendo como objetivo a prossecução das atividades realizadas no âmbito desta Unidade de I&D da Universidade do Porto e sua divulgação para o público em geral. Por favor, leia atentamente os termos e condições de utilização antes de utilizar este website.
  • Os utilizadores declaram conhecer, compreender, aceitar e cumprir integralmente os termos e condições de utilização deste website.
  • Os utilizadores obrigam-se a respeitar os direitos de autor, direitos conexos e de propriedade intelectual do CINTESIS, dos seus promotores e colaboradores.
  • Os utilizadores obrigam-se à proibição de copiar, divulgar, transmitir, reproduzir ou difundir materiais publicados neste website, respeitando os direitos legais sobre os mesmos, exceto em caso de uso livre autorizado por lei, nomeadamente o direito de citação, desde que a sua origem seja claramente identificada.
  • Os utilizadores comprometem-se a não veicular através deste website qualquer tipo de conteúdo ofensivo, difamatório, discriminatório, racista, obsceno ou violento.
  • O CINTESIS encontra-se ligado a websites externos sobre os quais não tem qualquer controlo e pelos quais não assume qualquer responsabilidade.
  • O CINTESIS não se responsabiliza por quaisquer anomalias ou danos que possam derivar da utilização do website, designadamente por vírus causados pelo acesso a hiperligações disponibilizadas.
  • Os utilizadores declaram-se totalmente responsáveis por quaisquer danos que venham a provocar, quer ao CINTESIS, quer a terceiros, pelo não cumprimento dos termos e condições aqui descritos, bem como pelo não cumprimento das normas legais.
  • O CINTESIS pode suspender ou alterar os presentes termos e condições, sem aviso, a todo e qualquer momento.
  • As questões constantes dos termos e condições são reguladas pela legislação portuguesa em vigor.